sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Doutor, o que é que temos?



“Deve ser psicológico” e “Deve ser uma alergia”.

Nesses últimos dias ouvi com certa freqüência essas duas frases, d
e profissionais e leigos no assunto.

Mas como é que eu não ficaria irritada com tais diagnósticos? Deve ser, mas não é.

A gente não quer simplesmente resolver o problema da dor, a gente quer explicações, quer entender.
Não é ser medicada para todas as centenas de doenças que poderiam ser, mas para aquilo que, de fato, é.
É tudo muito anestésico, mas nada cicatrizante.
Resolver os sintomas, mas não o problema, algo clássico nos dias de hoje.
Resolver os problemas é uma arte, poucos fazem, poucos querem, poucos conseguem, poucos estão dispostos e irem tão fundo.

Se é emocional então é só ficar mais calma.
Se é alergia é só lembrar o que foi que você comeu de diferente.

Coisas simples que não resolvem.

Então, tome um antialérgico, um antiinflamatório, um antibiótico... Porque se for qualquer coisa você estará medicada e não sentirá mais dor, não sentirá mais.
Ah, não se esqueça de manter a calma, ficar nervosa só vai piorar os sintomas.

Coisas simples que não resolvem.

Eu não quero me satisfazer com aquilo que não sei com aquilo que poderia ser.
Não quero aceitar um “deve ser isso”, portanto, faça aquilo.

Não, eu não estou falando da minha saúde.
É sobre outro tipo de doença.
Damáris Maia



Foto: wilhelmine.deviantart.com